Dinheiro é algo que provavelmente afeta todos os dias. Você pode trabalhar para isso, se preocupar, gastar um pouco e até desejar ter mais. Mas raramente examinamos como o dinheiro funciona e o que o torna uma parte significativa de nossas vidas. Então, o que é dinheiro e como ficou tão importante?

O que é dinheiro?

O dinheiro só tem valor porque as pessoas concordam em dar valor a ele. É um meio de troca e uma maneira de armazenar valor. As contas monetárias e financeiras podem não ter valor por si mesmas, mas o dinheiro se torna valioso quando todos concordam em usá-lo.

Um meio de troca é algo que você troca por outra coisa. Ambas as partes em uma transação concordam que o dinheiro tem valor, por isso é uma ferramenta eficiente para qualquer negociação.

Um armazenamento de valor é qualquer coisa que possa reter valor para você até mais tarde. Se você vender algo por dinheiro, poderá manter esses fundos em dinheiro ou em uma conta bancária e usá-los para comprar algo mais tarde.

A maior parte do dinheiro moderno não tem valor inerente: você não pode comer notas de reais ou usá-las para qualquer coisa útil, e uma nota de R$100 não é materialmente diferente de uma nota de R$20. Você pode nem usar dinheiro. Mas, historicamente, algumas formas de dinheiro eram úteis. Por exemplo, couros de animais podem mantê-lo aquecido no inverno, e metais como ouro são valorizados por sua aparência (no mundo moderno, esses metais também são valiosos na fabricação).

Como o dinheiro é baseado em um contrato, a moeda real pode ser qualquer coisa física ou eletrônica. Residentes no que é hoje a Micronésia usavam pedras grandes como moeda, e conchas também eram populares em algumas áreas. Atualmente, o dinheiro é majoritariamente eletrônico; portanto, seu banco e outras instituições financeiras controlam quanto você tem.

Por que não usamos mais trocas de produtos?

O sistema de troca envolve a negociação direta de bens e serviços, em vez de usar um meio de troca. Por exemplo, se você cultiva vegetais e deseja uma mesa, pode procurar um carpinteiro que esteja disposto a construir uma mesa para você em troca de vegetais. Como alternativa, você pode conhecer alguém com uma mesa extra à mão e a necessidade de vegetais.

A troca funciona bem em situações limitadas, mas fica difícil na prática. Para que a troca funcione, você precisa ter algo que a outra parte precisa e eles precisam ter o que você deseja – e essas necessidades precisam ocorrer simultaneamente. É improvável que os planetas se alinhem repetidamente.

Com o sistema de troca, pode ser mais difícil armazenar valor. Usando o exemplo de vegetais, você precisa trocar seus produtos antes que eles estraguem, e você pode não precisar de nada na época da colheita (ou o que você quer pode não estar disponível).

Por causa dos desafios logísticos, alguns antropólogos argumentam que um sistema de troca pura nunca existiu realmente.

Emissão de moeda: como funciona?

O dinheiro emitido pelo governo é provavelmente a moeda com a qual você está mais familiarizado. Também conhecida como moeda fiduciária, moedas como o dólar americano não têm valor intrínseco. Em vez disso, são valiosos porque o governo emite dinheiro e o declara com curso legal – ninguém no país pode se recusar a aceitar a moeda por dívidas e obrigações.

As moedas do mundo já foram baseadas em vários produtos físicos, como o dólar já foi baseado no valor do ouro e da prata e, eventualmente, apenas em dólares norte-americanos lastreados em ouro. As moedas já foram cunhadas de metais preciosos, e você podia até trocar notas de papel por ouro físico. Mas, assim como os EUA, muitos abandonaram o padrão-ouro e adotaram padrões diferentes para a emissão de moedas.

A desassociação do dinheiro e do ouro permite ao governo manipular a economia e o valor da moeda usando certas ferramentas

Imprimindo dinheiro: sem a necessidade de minerar ou comprar ouro físico, os governos podem criar dinheiro do nada imprimindo mais moeda. Para fazer o equivalente eletrônico, eles podem inundar os mercados com dinheiro comprando ou vendendo títulos para investidores, os chamados títulos da dívida pública.

Dinheiro fácil: os governos também podem aumentar a oferta de dinheiro influenciando as taxas de juros ou alterando os requisitos de reservas bancárias. Quando as taxas são baixas, as empresas e os indivíduos têm um incentivo para contrair empréstimos, e geralmente gastam esse dinheiro para comprar coisas ou investir em crescimento (construir uma nova fábrica e criar empregos, por exemplo).

Definição de dinheiro

Entenda o funcionamento do dinheiro para conhecer mais do sistema financeiro. (Foto: Foundation for Economic Education)

O valor do dinheiro pode aumentar ou diminuir

O dinheiro só tem valor quando todo mundo pensa que é valioso. Mas as percepções podem desaparecer, portanto o valor do dinheiro pode evaporar ou mudar com o tempo. É mais provável que isso aconteça com moedas fiduciárias, pois não há mercadoria física para apoiar um valor que se baseia inteiramente na fé.

Quando o dinheiro fica menos valioso, é preciso mais dinheiro para comprar as mesmas coisas (comumente conhecidas como inflação). Eventualmente, o dinheiro pode se tornar inútil. O oposto também é verdadeiro: o dinheiro pode ficar mais valioso quando está em alta demanda.

Há moedas que podem ser mais valiosas que outras, e essa variação é a que cria a também o nosso mercado de câmbio.

Quanto dinheiro existe?

Acompanhar o dinheiro é difícil, especialmente quando as economias mudam constantemente. Em 2017, o Banco de Pagamentos Internacionais estimou que existem US$5 trilhões em moeda em todo o mundo. Pode ser mais fácil se concentrar em uma nação por vez. Mas muito disso está em instituições financeiras ou contas eletrônicas.

O Banco Central classifica nosso dinheiro da seguinte forma:

M0 é a nossa base monetária restrita, que é a moeda emitida somada com as reservas bancárias. Este valor gira em torno de 4% do nosso PIB.

M1 é dinheiro líquido. Isso inclui dinheiro em circulação, contas de dinheiro sob demanda (como contas correntes), cheques de viagem e outras formas de dinheiro facilmente acessíveis para gastos.

M2 é uma definição mais ampla que inclui M1 mais dinheiro que é um pouco menos acessível. Exemplos incluem dinheiro em contas poupança, pequenos certificados de depósito (CD), contas do mercado monetário e instrumentos similares.

M3 inclui M2, além de depósitos a prazo mais significativos, fundos institucionais do mercado monetário, instrumentos do mercado monetário e outros grandes ativos semelhantes ao caixa.

E as criptomoedas?

O dinheiro existe sempre que as pessoas concordam em tratar algo como dinheiro – se uma autoridade (como um órgão do governo) define algo como “dinheiro”. Criptomoedas como o Bitcoin podem ser facilmente consideradas dinheiro porque as pessoas usam essas moedas digitais como dinheiro: para comércio e reserva de valor.

Dito isto, todo tipo de dinheiro tem características diferentes e você precisa escolher quais formas de moeda funcionam melhor para você. Ao tomar essa decisão, considere as leis e normas relevantes na área em que vive e negocia, o risco e os benefícios de usar uma determinada moeda, a facilidade de uso e outros fatores significativos.

Independentemente de os governos aceitarem ou não o Bitcoin oficialmente como dinheiro, algumas pessoas o usam como tal (embora possa ser mais volátil do que outras opções).

Dúvidas? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)