O cartão de crédito no Brasil tem um dos maiores juros do mundo. Vários motivos são a causa disso, e a inadimplência dos consumidores é um desses motivos.

Para tentar evitar a inadimplência e evitar que os consumidores fiquem endividados com os cartões, o Governo fez novas regras para o uso do cartão. Especificamente, mudanças no pagamento mínimo. Vamos entender essas mudanças e como elas beneficiam o consumidor.

Cartão de crédito e novas regras

O governo altera as regras para reduzir o interesse dos clientes que precisam entrar no rotativo do cartão, chamado pagamento mínimo. A partir da data de publicação da lei, o cartão de crédito possui novas regras para reduzir a inadimplência e evitar o superendividamento. Na prática, o consumidor não ficará mais preso ao rotativo do cartão, popularmente conhecido como o pagamento mínimo da fatura.

Nova lei do cartão de crédito em detalhes

Sempre que o consumidor entrar no crédito rotativo, após 30 dias o banco terá que oferecer ao cliente uma parcela do pagamento do saldo devedor. O consumidor também tem a opção de efetuar o pagamento em dinheiro após esse período. Se ele não escolher nenhuma das opções, ele será o padrão.

Os bancos e instituições financeiras brasileiras são obrigados a operar sob essas novas regras. A expectativa do governo é que as taxas de juros caiam pela metade e o cliente fique menos tempo no cartão.

Como isso muda os juros dos cartões de crédito?

Antes dessas novas regras, se o cliente fizesse uma fatura de R$1.000, mas tivesse apenas R$150 para pagar, a dívida poderia se tornar inestimável. No primeiro mês, o saldo devedor passaria de R$850,00 para R$948,72. Ao final do sexto mês seria de R$1.708,90. Esse efeito bola de neve tem resultado em diversos questionamentos jurídicos,e a jurisprudência tem ido sempre a favor dos consumidores.

Então, mudou-se a lei para evitar a judicialização constante da questão.

Regras dos cartões de crédito

Os cartões de crédito agora tem novas regras para evitar que os consumidores se endividem. (Foto: Consumers Credit Union)

Bola de neve de cartão de crédito

A dívida, se não for totalmente paga, aumenta muito rapidamente devido aos juros. O cartão de crédito é um dos modos com as maiores taxas no mercado brasileiro. Segundo o Banco Central, os juros dos cartões de crédito já chegaram a mais de 484,6% ao ano, o equivalente a 15,85% ao mês.

Com taxas tão altas, tornou-se comum os clientes deixarem seus nomes ficarem sujos e deixarem de pagar suas dívidas. Uma conta que começou relativamente pequena e, depois de alguns meses, fica quase impossível pagar. O consumidor precisa negociar com o banco para obter um desconto e obter um refinanciamento. As novas regras evitam problemas para o consumidor e o endividamento compulsivo.

Parcelamento do cartão de crédito

Agora, se o cliente fizer uma fatura de R$1.000, mas pagar apenas R$150, ele entrará no rotativo apenas por um mês. Ou seja, após 30 dias, sua conta passa de R$850,00 para R$948,72.

No entanto, o banco terá que entrar em contato com o consumidor e perguntar se ele deseja fazer um parcelamento ou pagar em dinheiro. Se você não fizer nenhuma dessas opções, ficará inadimplente e pagará uma alta taxa de juros.

Em outras palavras, o banco irá oferecer um empréstimo para quitar a dívida do cartão, com juros mais baixos do que o cartão de crédito.

Ficou em dúvida? Deixe nos comentários suas perguntas e iremos ajudar!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)