Juros compostos: o que são e como calcular?

Escrito na categoria "Juros" por André M. Coelho.

Warren Buffet disse certa vez que sua riqueza vinha de “uma combinação de viver na América, alguns genes da sortem e juros compostos”. O investidor bilionário quis dizer que os juros ganhos por seus investimentos ajudaram a criar sua fortuna. Mas Buffett também gostava de alertar as pessoas sobre os perigos de acabar no lado errado da equação de juros compostos.

Embora os juros compostos sejam indiscutivelmente o componente mais importante para a construção de riqueza, também podem ser uma das melhores maneiras de arruinar suas finanças: ter de pagar juros compostos pode fazer com que a dívida saia do controle.

A maioria das pessoas só pensa nos juros em termos de quão alta ou baixa é a taxa. Mas entender como os juros são calculados, ou compostos, também é importante. Saber como funcionam os juros compostos pode ajudá-lo a evitar erros dispendiosos e a tirar o máximo proveito do seu dinheiro, quer o esteja depositando, investindo, tomando emprestado ou gastando.

O que são juros compostos?

Todos os juros são uma porcentagem cobrada ou ganha por uma quantia fixa de dinheiro. Juros compostos são um tipo de juros baseados na adição do principal original – ou seja, o valor inicial investido ou emprestado – com os juros acumulados de períodos anteriores.

Por exemplo, digamos que você tenha R$100 em uma conta de poupança e ela ganhe juros a uma taxa de 10%, composta anualmente. No final do primeiro ano, você teria R$110 (100 de principal + 10 de juros). No final do segundo ano, você teria R$121 (110 no principal + 11 nos juros). Ao final do terceiro ano, você teria R$133,10 (121 no principal + 12,10 nos juros). E assim por diante.

Em outras palavras, com juros compostos, você ganha juros sobre juros.

A revelação vem quando você percebe que os juros compostos fazem o principal crescer exponencialmente, ou seja, à medida que os juros acumulam e a quantidade de dinheiro aumenta, a taxa de crescimento se torna mais rápida.

A rapidez com que seu dinheiro cresce depende da taxa de juros e da frequência de composição. Os juros podem ser compostos diariamente, mensalmente, trimestralmente ou anualmente e, quanto mais frequentemente são compostos, mais rápido se acumulam.

A longo prazo, “a magia da composição” pode realmente aumentar. Um investimento inicial de R$5.000 cresce até R$28160 se for composto semestralmente ao longo de um período de 35 anos, a uma taxa de juros anualizada de 5%.

Se você é quem está ganhando dinheiro com os juros, a composição diária ou mensal é preferível a anual. Por outro lado, se você estiver pagando juros, a composição mensal ou anual economizará dinheiro em comparação com a diária.

Efeito dos juros compostos

Os juros compostos são uma boa forma de construir riqueza ao longo do tempo sem depender muito de esforços. (Foto: Equity Trust Company)

Juros compostos x Juros simples

Enquanto os juros compostos são “juros sobre juros” – calculados sobre o valor do principal e os juros acumulados – os juros simples são totalmente diferentes. Os juros simples são calculados apenas sobre o saldo principal ou depósito original.

Vamos pegar nossa poupança de R$100 novamente, só que desta vez está pagando 10% de juros simples. Isso significa que a taxa de juros de 10% se aplica apenas ao valor do principal original de R$100, portanto, você ganha R$10 a cada ano. No final do primeiro ano, você teria R$110. Mas, no final do segundo ano, você teria R$120. No final do terceiro ano, R$130, em comparação com R$133,10 na conta de juros compostos.

Embora tenhamos usado números pequenos aqui, você pode ver como quanto mais longe você vai, mais juros compostos rendem – e mais ultrapassa os juros simples.

Juros simples tendem a ser usados ​​na maioria dos empréstimos estudantis, hipotecas e empréstimos parcelados – quando você está pagando uma loja pela compra de um grande eletrodoméstico durante um período de tempo, por exemplo.

Cálculo e fórmula para juros compostos

Calcular juros compostos parece complicado, mas na verdade é tão simples quanto inserir alguns números na fórmula certa. Vamos à fórmula:

A = P (1 + r/n)^(nt)

Onde:

A = valor total

P = principal

r = taxa anual de juros, escrito como um decimal

n = quantas veses os juros são compostos por ano

t = quanto tempo o dinheiro fica depositado ou emprestado, expresso em anos

A equação de juros compostos basicamente adiciona 1 à taxa de juros, aumenta essa soma para o número total de períodos compostos e multiplica o resultado pelo valor do principal.

Obs.: o símbolo ^ significa “elevado a”. Ou seja, a equação é elevada a nt.

Digamos que você decida depositar seu bônus anual de R$10.000 em um depósito (CD) de 5 anos. Você deixa esse dinheiro no CD pelos cinco anos completos e ele ganha uma taxa de juros anual de 4% composta diariamente. Os números que você inseriria em cada variável são os seguintes:

P = R$10.000

r = 0,04

n = 365

t = 5

A fórmula fornece R$12.213,89 para A. Essa é a quantia total de dinheiro que você teria em sua conta do mercado monetário ao final de cinco anos. Isso significa que você ganhou $ 2.213,89 em juros.

Como a conta de juros compostos pode te prejudicar?

Como a composição de juros pode ser benéfica para economias, investimentos e criação de riqueza, é importante observar que isso pode funcionar contra você se estiver pagando dívidas. Na verdade, a capitalização é parte do que torna o carregamento de um saldo pendente de cartão de crédito tão mortal.

Na verdade, o exemplo acima poderia ser virado de cabeça para baixo imaginando que você carrega um saldo de R$10.000 em um cartão de crédito (presumiremos que são os mesmos 4% compostos diariamente, embora as taxas do cartão de crédito sejam geralmente muito mais altas). Você planeja não colocar mais nada no cartão e pagar tudo em cinco anos. Mesmo que você esteja lascando seu saldo e pagando uma taxa de juros extremamente baixa, ainda pode acabar pagando muito em taxas de juros – mais de R$1.000 na verdade.

E se você estivesse sendo cobrado 18% composto diariamente, você pagaria R$5.236 em juros após cinco anos.

Como aproveitar a conta dos juros compostos?

A melhor maneira de aproveitar as vantagens dos juros compostos é poupando e investindo.

Optar por uma conta de poupança que rende juros – como contas de poupança de alto rendimento, contas do mercado monetário e CDs – é uma maneira de fazer com que os juros compostos trabalhem a seu favor. Ao escolher uma conta, você deve procurar uma com taxas mínimas e o maior rendimento percentual anual, que é o juro que você pode ganhar em seu depósito em um período de 12 meses.

É importante notar que as taxas de juros até mesmo das melhores contas de poupança mal superam a inflação, portanto, são melhores para economias de curto prazo. Se você deseja construir uma riqueza de longo prazo, seja uma economia para a aposentadoria ou uma meta que ainda está por vir, investir seu dinheiro realmente fará com que funcione para você.

Os produtos de poupança oferecem taxas de juros que normalmente variam de 0,01% a 3%, dependendo do estado da economia, enquanto a taxa média histórica de retorno no mercado de ações é de 10%, antes do ajuste pela inflação.

Ao abrir uma conta de investimento, conta de corretagem ou fundos mútuos, você tem a opção de reinvestir automaticamente os dividendos ou juros que seus investimentos ganham. Isso significa que seus retornos serão compostos.

O que aprender com juros compostos?

Os juros compostos podem ser seus amigos ou inimigos, com o poder de enriquecê-lo ou levá-lo à falência – dependendo de qual lado você está.

Felizmente, você não precisa ser um gênio da matemática para entender se os juros de uma conta irão ajudá-lo ou prejudicá-lo. Se você está pedindo dinheiro emprestado, deseja a menor taxa de juros possível, composta com a menor frequência possível. Se você está investindo dinheiro, o oposto se aplica: você deseja não apenas uma boa taxa de juros, mas uma que combine com antecedência e com frequência.

E ao comparar empréstimos, CETs de cartão de crédito, rendimentos de contas de poupança ou retornos de outros títulos – verifique a frequência com que os juros são compostos e certifique-se de estar comparando de igual para igual. Duas taxas de juros podem ser nominalmente iguais, mas se elas se acumularem em velocidades diferentes, isso pode fazer uma grande diferença.

Seja para ganhá-lo ou pagá-lo, a natureza dos juros compostos significa que assumir o controle logo no início é exponencialmente melhor para sua carteira.

Como vocês usam os juros compostos? Ele já prejudicou vocês alguma vez?

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Quem não tem amigos e familiares dizendo que estão sem dinheiro? Como especialista em educação financeira e consultor empresarial com mais de 300 horas de cursos, André decidiu ajudar compartilhando seu conhecimento através de artigos neste blog. André tem graduação em pedagogia e especialização em padronização de processos e usa seu conhecimento para ensinar seus leitores a lidar melhor com o dinheiro.

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Sem Dinheiro não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário