O Bitcoin faz parte do vocabulário de muitos que querem enriquecer rápido. E está envolvido em muitos dos golpes financeiros espalhados pelo mundo.

Desde quando foi lançado, o Bitcoin se envolveu em diversas polêmicas, e muita especulação financeira. Parece que vem se estabilizando nos últimos tempos, mas se é seu interesse entrar nesse mercado, é melhor entender o que ele significa.

Bitcoin: o que é?

Bitcoin é a primeira moeda digital ponto a ponto do mundo, ou criptomoeda. Lançado em 2009 pelo anônimo Satoshi Nakamoto, o Bitcoin é a aplicação mais significativa da tecnologia blockchain atualmente – atualmente possui uma capitalização de mercado de 112 bilhões de dólares.

Em sua documentação, Satoshi Nakamoto apresentou sua implementação: um livro público seguro, global e imutável como um registro de todas as transações na rede (a blockchain) e um incentivo para os consumidores contribuírem com seu poder de computação para a rede blockchain (Bitcoin). As idéias fundamentais por trás do Bitcoin surgiram em um momento em que a rede ponto a ponto e a computação em nuvem estavam redefinindo os espaços tecnológicos de rede, armazenamento e gerenciamento de dados.

Na época, no entanto, a segurança e a manutenção dessas redes eram tratadas principalmente por grandes corporações que buscavam obter lucro. A documentação do Bitcoin, em um nível abstrato, era uma proposta para transferir o trabalho de segurança e manutenção para colaboradores externos anônimos da multidão, provocando uma mudança descentralizada e democrática nessas indústrias.

Bitcoin: como funciona?

Para entender como o Bitcoin funciona, primeiro precisamos entender o que é uma rede. Uma rede é fundamentalmente um sistema com vários nós (usuários) e conexões (transações) entre esses nós. Como rede, o objetivo da Rede Bitcoin é permitir que os usuários enviem tokens uns aos outros (bitcoins).

Os principais problemas das transações em geral são os de segurança e responsabilidade, e ambos exigem soluções para evitar fraudes. Imagine fazer uma transação financeira pela Internet na qual você envia seu aluguel ao proprietário. Você esperaria duas coisas: que o dinheiro não seja interceptado por terceiros ao longo do caminho e que sua transação seja registrada em um razão em algum lugar, caso o pagamento não seja efetuado.

A abordagem da blockchain para resolver esses problemas é o que a torna uma inovação tecnológica verdadeiramente revolucionária. O Bitcoin requer a ajuda de mineradores: indivíduos ou organizações que contribuem com sua energia computacional para criptografar as informações dessas transações.

Os mineradores usarão grandes plataformas de hardware para resolver quebra-cabeças criptográficos em um programa de computador específico para Bitcoin que contém as informações de cada transação na rede. Quando uma transação é criptografada por um minerador, ela é adicionada como um novo bloco a uma cadeia de blocos conectada. Isso atua como um razão pública visível e imutável – daí o nome blockchain.

Em troca de todo esse esforço computacional, se a criação do novo bloco pelo minerador for considerada válida pela rede (por consenso), o mineiro será recompensado com um Bitcoin recém-criado. O mineiro pode então usar esta moeda como quiser.

Definição de Bitcoin

O Bitcoin é uma criptomoeda que traz uma oportunidade moderna nos negócios globais. (Foto: Bitcoin)

Bitcoin: qual o valor?

Resposta simples: Bitcoins não têm valor inerente. Se for esse o caso, por que os usuários fazem transações Bitcoin em várias redes blockchain todos os dias? A realidade da questão é que, mesmo que o governo de seu país natal use uma moeda fiduciária apoiada em metais preciosos como prata e ouro, a moeda em papel por si só também não tem valor inerente.

A moeda em papel, em termos absolutos, vale o custo do material de linho de algodão e da tinta da impressora. Da mesma forma, os Bitcoins valem apenas algumas sequências de dígitos hexadecimais. A questão é que os bens em um mercado livre terão um preço para refletir o que o mercado considera que vale a pena.

Se os consumidores avaliarem fortemente um determinado tipo de ativo financeiro, esse valor será descontado no preço desse ativo por simples oferta e demanda.

Bitcoin: controvérsias

A controvérsia em torno do Bitcoin ocorreu em 2016 e 2017, quando as empresas financeiras identificaram uma bolha crescente no crescente valor do Bitcoin. O valor do Bitcoin é determinado pelo valor dos bens que as pessoas estão dispostas a trocar por ele. Por sua vez, a quantidade de moedas no mercado e a velocidade e tamanho em que as transações ocorrem permitem que a rede rastreie sua capitalização de mercado total em relação às moedas fiduciárias internacionais. De qualquer forma, o crescente valor das criptomoedas e a escassez de inclusão legal do Bitcoin na arena de comércio internacional deram arrepios aos bancos e governos.

Na arena política internacional, vários governos foram forçados a tomar decisões rápidas sobre a legalidade do Bitcoin. Em alguns países como Japão e Taiwan, o Bitcoin ganhou terreno e hoje é reconhecido como uma moeda independente e, portanto, não tributável. Outros países tornaram a troca de Bitcoin totalmente ilegal, enquanto outros tentaram fazer alguns sacrifícios para a aceitação desta criptomoeda.

Os EUA e o Brasil determinaram que o Bitcoin deveria ser comprado, vendido e comercializado legalmente como um ativo sujeito a impostos sobre ganhos de capital e, portanto, será visto como uma propriedade tributável.

Como o Bitcoin sofreu uma grande queda no início de 2018, os céticos foram rápidos em afirmar a afirmação de que o Bitcoin era uma bolha prestes a estourar. Alguns governos mantiveram-se firmes no meio da controvérsia, enquanto outros ainda estavam fazendo malabarismos com o próprio conceito e a legalidade em torno da compra e venda da moeda. O Bitcoin e sua adoção continuam sendo um dos tópicos mais influentes e fascinantes em tecnologia, economia e ciência da computação.

Bitcoin: o legado

A principal inovação que o Bitcoin teve no mundo tecnológico foi a aplicação do primeiro blockchain. Qualquer rede que exija transações de qualquer tipo requer segurança e responsabilidade, e a criação de um livro digital digital imutável abre várias possibilidades para o futuro da economia mundial. Quando a blockchain Ethereum foi proposta em 2013, o uso da tecnologia blockchain foi expandido para incluir o uso de contratos inteligentes, acordos de execução automática que tornaram a tecnologia blockchain ainda mais personalizável.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)