Uma taxa de câmbio atrelada é uma política na qual um governo nacional define uma taxa de câmbio fixa específica para sua moeda com uma moeda estrangeira ou uma cesta de moedas. A fixação de uma moeda estabiliza a taxa de câmbio entre os países. Isso fornece previsibilidade de longo prazo das taxas de câmbio para o planejamento de negócios. No entanto, uma paridade cambial pode ser um desafio para manter e distorcer os mercados se estiver muito distante do preço natural de mercado.

O que é taxa de câmbio atrelada?

Uma taxa de câmbio atrelada é uma política na qual um governo nacional define uma taxa de câmbio fixa específica para sua moeda com uma moeda estrangeira ou cesta de moedas. Esta política cambial realista pode reduzir a incerteza, promover o comércio e aumentar a renda. Uma taxa de câmbio atrelada excessivamente baixa da moeda mantém os padrões de vida domésticos baixos, prejudica as empresas estrangeiras e cria tensões comerciais com outros países.

Uma taxa de câmbio atrelada artificialmente elevada contribui para o consumo excessivo de importações, não pode ser sustentada no longo prazo e frequentemente causa inflação quando entra em colapso.

Como funciona uma taxa de câmbio atrelada?

A principal motivação para as moedas atreladas é estimular o comércio entre os países, reduzindo o risco cambial. As margens de lucro de muitas empresas são baixas, portanto, uma pequena mudança nas taxas de câmbio pode eliminar os lucros e forçar as empresas a encontrar novos fornecedores. Isso é particularmente verdadeiro no setor de varejo altamente competitivo.

Os países geralmente estabelecem uma paridade cambial com uma economia mais forte ou mais desenvolvida para que as empresas nacionais possam acessar mercados mais amplos com menos risco. O dólar americano, o euro e o ouro têm sido historicamente escolhas populares. As taxas de câmbio criam estabilidade entre os parceiros comerciais e podem permanecer em vigor por décadas. Por exemplo, o dólar de Hong Kong está indexado ao dólar dos EUA desde 1983.

Somente as moedas atreladas realistas destinadas a reduzir a volatilidade podem produzir benefícios econômicos. Definir uma paridade cambial artificialmente alta ou baixa cria desequilíbrios que acabam prejudicando todos os países envolvidos.

Câmbio atrelado

A política de câmbio atrelado é uma das formas de lidar com o câmbio de um país. (Foto: Collins Dictionary)

Vantagens das taxas de câmbio fixas

As moedas fixas podem expandir o comércio e aumentar a renda real, especialmente quando as flutuações da moeda são relativamente baixas e não mostram mudanças de longo prazo. Sem risco de taxa de câmbio e tarifas, indivíduos, empresas e nações são livres para se beneficiar totalmente da especialização e do câmbio. De acordo com a teoria da vantagem comparativa, todos serão capazes de passar mais tempo fazendo o que fazem de melhor.

Com taxas de câmbio fixas, os agricultores poderão simplesmente produzir alimentos da melhor maneira possível, em vez de gastar tempo e dinheiro protegendo o risco cambial com derivativos. Da mesma forma, as empresas de tecnologia poderão se concentrar na construção de computadores melhores. Talvez o mais importante seja que os varejistas de ambos os países poderão comprar dos produtores mais eficientes. As taxas de câmbio fixas permitem mais investimentos de longo prazo no outro país. Com uma paridade cambial, as taxas de câmbio flutuantes não perturbam constantemente as cadeias de abastecimento e alteram o valor dos investimentos.

Desvantagens das taxas de câmbio fixas

O banco central de um país com paridade cambial deve monitorar a oferta e a demanda e gerenciar o fluxo de caixa para evitar picos na demanda ou na oferta. Esses picos podem fazer com que a moeda se desvie de seu preço atrelado. Isso significa que o banco central precisará manter grandes reservas em moeda estrangeira para conter a compra ou venda excessiva de sua moeda. As moedas atreladas afetam a negociação forex por conter artificialmente a volatilidade.

Os países enfrentarão um conjunto específico de problemas quando uma moeda estiver atrelada a uma taxa de câmbio excessivamente baixa. Por um lado, os consumidores domésticos serão privados do poder de compra para comprar bens estrangeiros.

Suponha que o yuan chinês esteja muito baixo em relação ao dólar americano. Assim, os consumidores chineses terão que pagar mais por alimentos e petróleo importados, reduzindo seu consumo e padrão de vida. Por outro lado, os fazendeiros americanos e produtores de petróleo do Oriente Médio que teriam vendido mais mercadorias perdem negócios. Esta situação cria naturalmente tensões comerciais entre o país com moeda desvalorizada e o resto do mundo.

Outro conjunto de problemas surge quando uma moeda é atrelada a uma taxa excessivamente alta. Um país pode ser incapaz de defender a paridade com o tempo. Como o governo estabeleceu a taxa muito alta, os consumidores domésticos comprarão muitos produtos importados e consumirão mais do que podem produzir. Esses déficits comerciais crônicos criarão pressão negativa sobre a moeda nacional, e o governo terá de gastar reservas em moeda estrangeira para defender a paridade. As reservas do governo acabarão por se esgotar e a paridade entrará em colapso.

Quando a paridade cambial entra em colapso, o país que a definiu muito alta, repentinamente achará as importações mais caras. Isso significa que a inflação aumentará e a nação também poderá ter dificuldade em pagar suas dívidas. O outro país encontrará seus exportadores perdendo mercados e seus investidores perdendo dinheiro em ativos estrangeiros que não valem mais tanto em moeda nacional.

Os principais desdobramentos da paridade cambial incluem o peso argentino em relação ao dólar americano em 2002, a libra esterlina em relação ao marco alemão em 1992 e, indiscutivelmente, o dólar americano em ouro em 1971.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)