A inadimplência é a falha em pagar uma dívida incluindo juros ou principal de um empréstimo ou título. Uma inadimplência pode ocorrer quando um mutuário não consegue fazer pagamentos pontuais, perde pagamentos ou evita ou interrompe os pagamentos. Indivíduos, empresas e até mesmo países podem ser vítimas da inadimplência se não puderem cumprir suas obrigações de dívida. Os riscos de inadimplência são frequentemente calculados com bastante antecedência pelos credores.

O que é inadimplência?

Uma inadimplência ocorre quando um mutuário não consegue fazer pagamentos pontuais, perde pagamentos ou evita ou deixa de fazer pagamentos inteiramente sobre os juros ou o principal devido.

A inadimplência pode ocorrer em dívidas garantidas, como um empréstimo hipotecário garantido por uma casa, ou dívidas não garantidas, como cartões de crédito ou um empréstimo estudantil.

As inadimplências podem ter consequências como pontuação de crédito mais baixa, chances reduzidas de obter crédito no futuro e taxas de juros mais altas sobre a dívida existente, bem como quaisquer novas obrigações.

Inadimplência e seu significado

Pode ocorrer inadimplência em dívidas garantidas, como um empréstimo hipotecário garantido por uma casa ou um empréstimo comercial garantido por ativos de uma empresa. Se um mutuário individual deixar de fazer os pagamentos da hipoteca em tempo hábil, o empréstimo pode entrar em inadimplência.

Da mesma forma, se uma empresa emite títulos – essencialmente pegando emprestado de investidores – e não consegue fazer pagamentos de cupom aos detentores de títulos, a empresa está inadimplente. Uma inadimplência tem efeitos adversos sobre o crédito do tomador e sua capacidade de tomar empréstimos no futuro.

Inadimplência de pagamentos

A inadimplência pode prejudicar a economia como um todo, e destruir o score de crédito de quem é inadimplente. (Foto: LearnWoo)

Inadimplência financeira com garantia

Quando um indivíduo, uma empresa ou uma nação deixa de cumprir uma obrigação de dívida, o credor ou investidor tem algum recurso para reclamar os fundos que lhes são devidos. No entanto, esse recurso varia de acordo com o tipo de segurança envolvida. Por exemplo, se um mutuário deixar de pagar uma hipoteca, o banco pode reivindicar a casa garantindo a hipoteca.

Além disso, se um tomador de empréstimo deixar de pagar um empréstimo para automóveis, o credor pode retomar a posse do automóvel. Estes são exemplos de empréstimos garantidos. Em um empréstimo garantido, o credor tem uma reivindicação legal sobre o ativo para satisfazer o empréstimo.

Corporações que estão inadimplentes ou quase inadimplentes geralmente entram em processo de concordata para evitar um default total em suas obrigações de dívida. No entanto, se uma empresa vai à falência, ela efetivamente deixa de pagar todos os seus empréstimos e títulos, uma vez que os valores originais da dívida raramente são pagos integralmente.

Os credores com empréstimos garantidos pelos ativos da empresa, como edifícios, estoque ou veículos, podem reclamar esses ativos em vez de reembolso. Se sobrar algum dinheiro, os detentores dos títulos da empresa recebem uma participação neles, e os acionistas são os próximos na fila. Durante a falência de empresas, às vezes é possível chegar a um acordo entre devedores e credores por meio do qual apenas uma parte da dívida é paga.

Inadimplência em dívida sem garantia

Uma inadimplência também pode ocorrer em dívidas não garantidas, como contas médicas e dívidas de cartão de crédito. Com a dívida não garantida, nenhum ativo está garantindo a dívida, mas o credor ainda tem recursos legais em caso de inadimplência. As empresas de cartão de crédito costumam dar alguns meses antes de uma conta entrar em inadimplência.

No entanto, se depois de seis meses ou mais, não houver nenhum pagamento, a conta será baixada, o que significa que o credor terá prejuízo na conta. O banco provavelmente venderia a conta baixada para uma agência de cobrança e o mutuário precisaria reembolsar a agência. Se nenhum pagamento for feito à agência de cobrança, uma ação legal pode ser tomada na forma de penhor ou sentença sobre os ativos do mutuário.

Uma garantia de julgamento é uma decisão judicial que concede aos credores o direito de tomar posse de alguma propriedade ou bem do tomador, caso eles não cumpram suas obrigações contratuais.

Alternativas para a inadimplência: negociando dívidas

Um bom primeiro passo é entrar em contato com seu credor assim que perceber que pode ter problemas para manter seus pagamentos. O credor pode trabalhar com você em um plano de reembolso mais viável ou direcioná-lo para um dos programas federais. É importante lembrar que nenhum dos programas está disponível para pessoas cujos empréstimos estudantis foram inadimplentes.

Você pode ter certeza de que os bancos e o governo estão tão ansiosos para receber o dinheiro quanto você para reembolsá-lo. Apenas certifique-se de alertá-los assim que vir um problema potencial à frente. Ignorar o problema só o tornará pior.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)